Dicas de Gestão

Quais os principais indicadores de endividamento de um negócio?

quais-os-principais-indicadores-de-endividamento-de-um-negócio

Possuir um controle constante sobre a saúde financeira do negócio é responsabilidade do empreendedor. Ter o conhecimento sobre essa área financeira são obtidos por meio de estatísticas, métricas, dados e avaliações. Entre essas informações, há os indicadores de endividamento que são índices financeiros essenciais para que o bom andamento de um negócio.

Conferir os índices possibilita que o empreendedor saiba se seu trabalho está sendo bem feito ou se a empresa está próxima de passar sobre um período complicado financeiramente.

Com o intuito de esclarecer sobre tema, saiba a seguir sobre quais os principais indicadores de endividamento de um negócio. Realize sua leitura.

Índice de endividamento geral

O Índice de Endividamento Geral (EG) é um dos indicadores de endividamento que devem ser sempre usados pelas empresas. Sua função é representar o valor total que já tem destino com o pagamento de custos referentes a terceiros, denominados de passivos exigíveis.

A fórmula utilizada para esse índice é considerada simples. É montado da seguinte forma:  o valor total das dívidas, tanto as de curto prazo como as de longo prazo, deve ser dividido pelo total do ativo, sendo representado como EG= (Capital de terceiros/ Ativos totais) x100.

É importante dizer que o Índice de Endividamento Geral não é capaz de avaliar como está a saúde financeira da empresa. Entretanto, é preciso medir com frequência, pois a queda nos resultados indica algo positivo da empresa relacionado aos passivos.

Margem líquida

O indicador de endividamento Margem Líquida aparece a capacidade da empresa de gerar lucro de acordo com a receita líquida adquirido em um determinado período. A principal meta da margem liquida como indicador de endividamento é colaborar para que empreendedor compreenda se os custos da empresa estão elevados.

Entretanto, o resultado, sempre indicado em porcentagem, é subjetivo. Assim, para ser apontado como bom ou ruim, é preciso estar associado à realidade do negócio.

Quanto mais alto estiver o indicador, indica que mais bem preparada a empresa vai estar nas fases de baixa receita. Empresas que funcionam com uma margem muito baixa estão expostas aos prejuízos em qualquer variação positivas ou negativas de despesas e receitas.

A fórmula fazer o cálculo é: resultado líquido/ receita.

Alto índice de empréstimos

Ao analisar os financiamentos de maneira contínua, a empresa garante o controle relacionado a origem das aplicações e recursos, podendo ser:

  • Recursos gerados pelos lucros da sua atividade;
  • Capital investido pelos sócios;
  • Emissão de ações no mercado — no caso das organizações de capital aberto;
  • Dívidas assumidas com terceiros — os famosos financiamentos.

Assim, é possível dizer que cada aplicação feita em uma empresa existe um financiamento atrás. 

Ao relatar sobre a estrutura de capital, estamos mencionando às fontes de financiamento que a empresa usa para esse fim. No caso de fundo aplicado, ao pertencer a terceiros, é preciso que lidem como dívidas.

Desta forma, o uso ininterrupto e alto de capital de credores pode indicar que o negócio possui dívidas.

A fim de saber o quanto as finanças estão envolvidas com empréstimos, é necessário considerar o cálculo do capital de giro, que recebe a influência de três pontos.

São eles:

  1. Contas a receber: resultados das vendas;
  2. Estoque: que deve ser modificado conforme as necessidades do mercado atual;
  3. Caixa e conta bancária: que revelam os recursos financeiros da empresa.

Deste modo, o capital de giro tem sua medição por meio da fórmula: Ativo Circulante – Passivo Circulando, sendo que AC faz ligação a aplicações financeiras e o PC tem ligação às contas a pagar, com a inclusão dos empréstimos.

Assim, caso o cálculo resultar em um valor negativo, indica que os valores contidos no PC estão além da capacidade financeira da empresa, podendo afetar o negócio de forma negativa.

Liquidez corrente

A liquidez corrente é um dos indicadores de endividamento que indica se a empresa possui recursos financeiros o bastante para manter- se por até um ano em funcionamento. Resumindo, se o resultado for maior ou igual a um, quer dizer que a empresa possui o capital de giro para trabalhar por esse período. A fórmula é ativo circulante / passivo circulante.

É de extrema importância que os empreendimentos realizem o controle da liquidez, já que compreendem que estão em baixa com antecedência, é possível fazer ações de redução de estoque, captação de fundos ou parcelamento de dívidas.

Índice de cobertura de juros

O indicador de endividamento índice de cobertura de juros revela a capacidade do negócio de quitar os juros referentes a sua dívida, porém que não comprometa o seu fluxo de caixa. O resultado é considerável, já que muitas vezes um nível alto de endividamento indica que a empresa não está saudável, caso ela possua a capacidade para cobrir os juros.

Com todos os principais indicadores de endividamento de um negócio descrito acima, é muito importante não avaliar somente um, porém combinar a aplicação de diversos desses cálculos, pois cada um representa uma questão. Ao usá-los juntos, eles podem compor um diagnóstico preciso e seguro de acordo com a saúde financeira de um negócio.

Indicamos contar com um auxílio de uma contabilidade especializada. Desta forma, conte com a Rhodes Contadores Associados! Atuamos na prestação de serviços contábeis e profissionais nas áreas de Consultoria, Auditoria, Perícia e Assessoria de Negócios aos clientes.

Gostou do artigo? Caso tenha ficado alguma dúvida, entre em contato conosco.

Siga nossas redes sociais para saber mais sobre a área contábil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *